Como se classifica o azeite

07 de Set de 2020

A classificação do azeite de oliva segue normas internacionais e, no Brasil, um azeite pode ser: extra virgem, virgem, azeite, azeite lampante e azeite refinado. Entenda porque é tão importante a classificação e o que cada uma delas quer dizer sobre o azeite que você escolhe para consumir. 

Buscamos a base científica para definir o que é azeite de oliva:

“óleo obtido da fruta da oliveira apenas por meios mecânicos ou outros meios físicos, sob condições particularmente térmicas, que não levem a alterações do óleo, e que não tenham passado por nenhum tratamento, a não ser lavagem, decantação, centrifugação e filtragem”  - Conselho Oleícola Internacional.

Traduzindo o que isso quer dizer...

A azeitona é lavada e moída. A massa obtida é centrifugada e decantada para separara parte sólida da água e do óleo. O óleo é filtrado e está pronto.

Qual a diferença que isso tem com o processo dos óleos de soja e de milho, por exemplo? Os óleos de soja e de milho sofrem um tratamento químico com solventes para serem purificados e desodorizados. Sobra o óleo, mas falta sabor e os elementos benéficos para a saúde.

Do ponto de vista técnico, portanto, o azeite é classificado assim:

EXTRAVIRGEM

 

  • Acidez inferior a 0.8%
  • Ausência de defeitos em aroma e sabor
  • Frutado presente

 

VIRGEM

  • Acidez entre 0.8 e 2%
  • Baixo grau de defeitos no aroma e sabor
  • Ausência de frutado

 

LAMPANTE

  • Acidez acima de 2%
  • Alto grau de defeitos que inibe até mesmo a percepção de frutadoPara ser consumido, ele deve ser refinado quimicamente. Após o refino, pode ser misturado com azeite virgem ou extravirgem e vendido como azeite de oliva tipo único.

 

O que isso significa na prática?

 

EXTRAVIRGEM

É mais gostoso e proporciona mais benefícios à saúde. Possui maior teor de biofenóis. (Lembram? Já falamos disso aqui.)

VIRGEM

Não vai ter o mesmo frescor nem a mesma quantidade de biofenóis. Mas, a quantidade de gordura ainda é superior a outros óleos de semente. Por isso, é uma ótima opção na cozinha. Nenhum produtor brasileiro oferece, ainda, esta categoria.

ÚNICO

É produzido a partir de azeite lampante refinado quimicamente misturado a azeite virgem ou extravirgem para melhorar o sabor. Podemos usar? Podemos. Vai ter grandes benefícios à saúde ou tornar os pratos mais saborosos? Não muito.

 

 

Fonte: Extra Fresco - O Guia de Azeites do Brasil. 

0 Comentários
Deixe o seu comentário